Mulher Maravilha, que nada, eu quero é ser feliz!

Quando eu era pequenininha havia o desenho dos Super Amigos (“Enquanto isso na sala de Justiça…”), quem tem lá pouco mais de 20 e poucos vai lembrar. Naquela época eu era doida prá ser a Mulher Maravilha – cara, ela tinha um avião transparente (coisa que fazia todo o sentido naquela época).

Bem, vamos colocar assim…o tempo passa, o tal avião transparente e as roupitchas da Mulher Maravilha  (bem breguinhas, diga-se de passagem) já estão bem longe do ideal “o que eu quero ser quando crescer” para a maioria das mulheres.

Mas, veja só que ironia. No fundo,  muitas de nós continua buscando a tal “Mulher Maravilha” – aquela que consegue ser a super profissional durante sei lá, 10 horas do dia, chega em casa e é a dona de casa perfeita, a mãe perfeita, a filha perfeita, a esposa perfeita… Ufa!

(imagem que encontrei na rede, se você for o dono, me desculpe…não consegui achar os créditos para colocar aqui…entre em contato que eu creditarei a imagem o mais rápido possível)

A busca por tanta perfeição leva, na maioria das vezes a uma super e perfeita frustração. Por mais que você tente, não há como deixar de ser humana e atingir a perfeição suposta dos Super Heróis.

E, por que a gente se cobra tanto? Coisas desses tempos modernos, da emancipação feminina, dos soutiens que queimaram nossas avós e tias, e da cobrança que vem doida de todos os lados para que você seja uma super tudo!

A maioria acha que uma mulher bem sucedida em sua carreira, porém sem família ou filhos seja 100% realizada…assim como a mesma maioria acha que não faz sentido nenhum a mulher ficar em casa SÓ cuidando de sua família. Ficou instituída a dupla jornada (quando não tripla) feminina como default.

Será?

Na boa, acho que o importante, independente ai de ser mulher ou homem é se realizar como pessoa. E ai, cada um tem um horizonte colorido de forma diferente. Há quem vá se realizar sendo um tremendo profissional, daqueles bem workaholics e viajados…há quem vai ser feliz preparando a jantinha prá família…e há, na maioria dos casos, aqueles que terão que achar o famoso “balanço” entre os dois papéis.

O importante é que a gente aprenda a não generalizar e colocar tudo no mesmo balaio…é achar, em você, dentro das suas possibilidades, aquilo que vai fazer com que você chegue no final de cada dia se sentindo um pouco “Mulher Maravilha” e, principalmente, feliz!

Advertisements

About vivienrinaldi

Odeio falar sobre mim...rs...
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s