Decidi pelo equilibrio!

Quem me conhece a mais tempo estranha.  Desde novinha eu dava sinais de que a vida doméstica não era o que eu buscava para meu futuro. Comecei a trabalhar cedo, estudei bastante e eis que hoje tenho uma carreira que pode ser considerada como de sucesso por muitos (apesar de eu questionar se é isso mesmo).

Modéstia a parte, eu fui lá e fiz o que eu achei que tinha que fazer.

Mas, posso falar a verdade? Ultimamente, eu fico constantemente me perguntando se é isso mesmo. O meu lado “mulherzinha” começou a dar sinais de rebelião nos últimos tempos e não ter tempo para cuidar de afazeres domésticos banais (como planejar a jantinha do dia) me deixam deveras frustrada.

Deve ser coisa da idade, porque, honestamente, eu nunca liguei para isso antes. E me orgulhava da situação. Mas, de repente, você começa a reavaliar suas escolhas e se descobre feliz, em férias, cuidando da casa e tendo uma rotina longe do glamour corporativo.

Hoje as mulheres ditas 'emancipadas' torcem o nariz para as 'fadas do lar'.

Quando fui comentar isso com algumas pessoas, fui massacrada. Quase me mandaram para o manicômio… Onde já se viu? E ai, cheguei a seguinte conclusão – quando nossas bisas e avós saíram as ruas queimando sutiãs, elas lutavam contra a idéia de ter um destino já traçado, que não podia ser questionado. Mulheres modernas, será que hoje não somos vítimas dessa mesma situação? Você não tem escolha, tem que ter jornada dupla. Não há mulher feliz se ela não for uma profissional de sucesso.

Não quero ser escrava de tal situação. É claro que a situação ainda não é tão perfeita e as contas ainda precisam ser pagas, mas, entre minha familia e o sucesso profissional, eu já sei bem qual a prioridade no final das contas!

Nos últimos anos vinha trabalhando 12, 13 horas por dia. Respirava trabalho, não tinha tempo nem energia para qualquer outra coisa porque o trabalho me consumia. Decidi mudar! E já tenho consciência de que essa é uma mudança minha, pois as organizações não mudarão, as pessoas não mudarão sua visão crítica, chefes continuarão na cômoda posição de adorar funcionárias dedicadas que não têm hora para sair do escritório, que saem para jantar com clientes e visitantes sempre, dispostas sempre a entrar no primeiro avião para uma viagem que tem quando começar, mas não quando acabar.

Decidi mudar…aos poucos…ou o trabalho seria, daqui a pouco, a única coisa que me restaria (pelo menos até a empresa decidir que não sou mais necessária por lá).

Não se trata de diminuir a dedicação, o profissionalismo ou comprometimento. É só uma questão de definir limites muito claros para criar um balanço na vida!

Torçam por mim!!!

Advertisements

About vivienrinaldi

Odeio falar sobre mim...rs...
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s